Estes Ferrari 340 só seriam baptizados de MM, aquando do “Daily Express Trophy” em Silverstone (10 de Maio de 1953), a utilização do sufixo MM teve a ver com a vitória alcançada por Gianni Marzotto/Crosara, nas 1000 Milhas deste ano (26 de Abril) ao volante do 340MM #0280AM, isto significa que no Grande Prémio de Portugal, corrido a 21 de Junho, estes Ferrari já eram designados oficialmente por 340MM.
Os motores de origem Lampredi estão representados neste ano de 1953 ainda pelo 4,1 litros (340), deste vários exemplares são vendidos e outros inscritos directamente pela Ferrari em várias configurações. Vários exemplares do 340MM utilizados estão equipados com ignição por magnetos (e 3 carburadores Weber do tipo 40IF/4C), desenvolvendo uma potência de mais de 300 cv às 6.600r.p.m., para além de por vezes utilizarem mesmo um motor 4,5l, veja-se o caso do 340 MM #0318AM, inscrito nas 24 Horas de Le Mans de 1953 para Ascari/Villoresi, e que utilizou o motor de 4,5 litros que havia sido concebido para as 500 Milhas de Indianapolis de 1952. No entanto, a designação correcta (oficial) para este Ferrari é 340MM e não 375MM, como de forma errada muitas vezes é designado (o motor 375 de 1954 é derivado do motor 340 America).
Para além desta participação, correram outros 340MM com motores de 4,5l durante a época de 1953, registando mesmo uma vitória nos 1000 Km de Nurburgring (a 30 de Agosto), com a equipa constituida por Alberto Ascari e Guiseppe Farina. Nesta prova, a carroçaria Vignale surgiu algo modificada, com a parte frontal ligeiramente inclinada para a frente, e os faróis, não carenados, colocados numa posição mais convencional.
A carreira desportiva do 340MM (53) iniciou-se na Volta à Sicilia, onde um roadster dotado de uma carroçaria Vignale foi inscrito oficialmente para Luigi Villoresi, que venceu a prova.



#0286AM


Um Ferrari com uma história notável. Foi comprado por Sterzi à Ferrari, no início de 1953, tendo dotado desde logo este Ferrari com uma capota, operação que foi executada nas próprias oficinas da Vignale (ver foto). Nesta configuração, correu, a 31 de Maio de 1953, a Coppa Della Toscana (6º lugar) e este III Grande Prémio de Portugal. A seguir foi de novo adquirido pela Ferrari, que lhe retirou a capota, sendo assim convertido num spider, equipando-o com um motor 4,5l. A partir daqui participou, de forma oficial, nas 24 Horas de Spa (a 27 de Julho), embora aqui funcionando como carro de treinos, no IX Circuito de Senigallia (a 9 de Agosto), com Luigi Villoresi (Desistiu) e nos 1000 Km de Nurburgring (a 30 de Agosto), que a equipa constituída por Alberto Ascari e Guiseppe Farina venceu.
Em Novembro de 1953, este Ferrari foi adquirido por Franco Cornachia (Equipa Guastalla), que o inscreveu na Carrera Panamericana (19/23 de Novembro) para a equipa Luigi Chinetti/Alfonso de Portago (desistiram). Depois de ter continuado a sua carreira desportiva nos Estados Unidos da América, até 1957, este Ferrari esteve desaparecido durante cerca de 40 anos, surgindo de novo ao mundo dentro de um contentor…. Apesar do estado lastimável, Peter Lovely restaurou-o, e o 340MM #0286AM retomou o brilho de outros tempos e a decoração que tinha aquando da Carrera Panamericana.


1953


IV Circuito Internacional do Porto
III Grande Prémio de Portugal
20/21 de Junho
Bruno Sterzi (nº16)
6º Treinos
Abandono na Corrida
(Foto: Arquivo ACP/)

Para mais informações sobre esta prova, consultar aqui